quinta-feira, 21 de agosto de 2014

NOVA CAIXA D ÁGUA DE ARARAS VAZA E DEIXA A COMUNIDADE SEM ÁGUA.



                   Nessa semana nos do Blog BA fomos procurado por moradores da comunidade de araras para relatar novamente o problema com a falta de água na região devido à caixa d água. Ano passado a única caixa de água que abastecia toda comunidade desmoronou deixando toda a comunidade a base das velhas cacimbas, hoje com uma nova e inaugurada segundo moradores, Araras continua com os mesmo problemas devido um grande vazamento.
                 Segundo informações repassadas ao Blog por moradores, a nova caixa de água começou a vazar após a inauguração, técnicos responsáveis pela a obra foram informados e voltaram no local para tentar solucionar o problema, mais o que todos falam é que nada foi resolvido, enquanto isso os moradores recorrem novamente as velhas amigas cacimbas.

“Caixa d água de araras entregue com defeito e povo continua sem água e ninguém se manifesta em nosso favor, enquanto isso voltamos a optar pelas cacimbas que já não tem mais água”
“Araras continua sofrendo coma falta d água, a prefeitura entregou a obra, mais deu vazamento, a empresa responsável veio fazer alguns retoques mais o problema continua deixando a comunidade sem abastecimento”
“ A situação de abastecimento de água em araras esta complicado, ganhamos uma nova caixa d água, mais a mesma continua vazando e nada foi resolvido até agora, tem dias que dar água em uma casa e na outra não, ta difícil” relatam os moradores para a coluna “Diz aí meu povo “ do BA.

                 Entramos em contato com o Secretário de Obra do município de Barroquinha o Sr Francisco Pinto veras e repassamos a informação, o mesmo nos informou que a obra ainda não foi entregue e esta em fase de teste, mesmo assim, a empresa responsável pela a obra já foi notificada e estão providenciando os reparos e que em breve o problema será senado. Com a notificação do problema, esperamos que o mesmo se resolva o mais rápido possível.

Foto: autor no Anonimato


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O FILME “DAS ALMAS” SERÁ EXIBIDO PELA PRIMEIRA VEZ EM BITUPITÁ


                   Após uma ano de exibição nos festivais de cinemas nacionais e até internacional e com o prêmio de melhor autor em Rússia, o longa “Das Almas” chega em Bitupitá. Sua exibição esta programada para o dia 30 de agosto nos encerramentos dos festejos de Santa Adelaide, sem local ainda definido.
                   O filme “Das Almas” retrata a vida simples e cultural da comunidade de Bitupitá, onde um dos maiores pontos do filme é a vida de Adelaide Tahim de nacionalidade palestina que veio morar em Bitupitá no inicio do século 19, com uma vida simples e solidária, ajudava a vila no que podia, e hoje a comunidade a venera com Santa.
                   Os diretores Thiago Tamberlli e Guilherme Couton estão chegando em Bitupitá para exibir pela primeira vez o filme “Das Almas”. Mostrando sua obra para seus personagens, nosso povo. Ultima vez que o Blog entrou em contato com os mesmo, o longa esta programado para o dia 30 de agosto na rua principal de Bitupitá após a ultima novena de homenagem a Santa Adelaide.
                Toda comunidade espera ansiosamente pelo o dia da exibição, e pelo o que vimos no trailer divulgado na pagina do longa, o filme deixará todos encantados com essa obra dos diretores paulistano em homenagem a Bitupitá. Desde já convidamos a todos para prestigiar essa grande obra que será exibida pela primeira em “Bitu”, e promete deixar todos ainda mais apaixonados por essa terra, não esqueça dia 30 de agosto estréia o filme “Das Almas”. 

domingo, 17 de agosto de 2014

HISTÓRIAS DE BITU!



                  É com muito prazer que o Blog Bitupitá Atividades trás pela primeira vez a coluna histórias de Bitu, relatando fatos históricos e desconhecidos pela comunidade nos dias de hoje, que no século passado deu muito que falar. Guardada na memória dos mais velhos e retratados em obras de artes por alguns filhos de Bitupitá. E para irmos a fundo sobre os assuntos, consultamos pessoas mais antigas que soubessem ou que tinham presenciado um fato histórico no passado, e através de pesquisas e bom papo, chegamos na “Totó, menor prisão do mundo” construída na antiga Alma Velha e que será contada aqui no BA.
     

                             A MENOR PRISÃO DO MUNDO CHAMADA TOTÓ

                         Em uma noite comum dos anos sessenta, um homem não identificado construía no meio do salgado (área entre a comunidade e os manguezais) um chiqueiro de madeira que entraria para a história de Bitu como a menor prisão do mundo, que serviria para prender os baderneiros da época.
                  A “prisão” era toda de madeira extraídas dos manguezais com suportes de troncos de carnaúbas ou coqueiros que serviria como peso na porteira. Suas dimensões eram mais ou menos 1m, 50 cm de altura por 1m, 20 cm de comprimento e com 1m de largura, sendo que sua base era um pouco elevada sobre o chão, sem proteção contra chuvas, sol e insetos, o “cara” que tivesse o desprazer de inaugurar o chiqueiro, sofreria um bocado com o frio, insolação e picadas de mosquitos, um detalhe que chamou bastante atenção, foi em saber que a mesma não dependia de correntes nem cadeados, eram somente cordas, arames e pau, o suficiente para manter o “miliante” preso por alguns dias, sem facilitar na fuga, sua porteira era aberta verticalmente com a força de uns cinco ou mais homens, ou seja, o preso não teria a mínima chance de fugir.
                   Segundo informações obtidas, a prisão ficou dias sem ser inaugurado por falta de quem prender, até que um dia, o jovem que aparentava ter uns 25 anos teve a infelicidade de inaugurar esse espaço indesejável, ficando por até dois dias, a partir daí a prisão passou a ser chamada de Totó, devido o nome da mãe do rapaz que chamava Dona Totó. O boato da prisão se espalhou rápido pela a comunidade das Almas, onde todos comentavam “prenderão o filho da totó”, fazendo repercutir o fato por toda região e com conseqüências de ser lembrada até nos dias de hoje.
                    Os mais velhos como o Sr Antônio, conta que a prisão Totó ficava aproximadamente entre a única rua que existia e os coqueiros do doía. Atualizados para os dias de hoje, seria mais ou menos entre os fundos da casa do seu Zé Morais e a Assembléia de Deus. A Totó (menor prisão do mundo) ficou guardado na memória dos que presenciarão e na mente dos que ouviram falar sobre o caso, e nos dias de hoje pode ser vista em obras de arte do artista plástico e filho de Bitupitá, Odêmio do Pimpim.

                    Histórias de Bitu, resgatada pelo o Blog Bitupitá Atividades com o propósito de reacender nossa cultura e descobrir um pouco sobre nossas origens que com o tempo foram esquecidas e apagadas. Portal BA conectando você no paraíso. 

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

A CONSTRUÇÃO DE UM CURRAL DE PEIXE

                      


                Uma das atividades econômicas que mais movimenta a economia de Bitupitá é a pesca artesanal com armadilhas de peixes em alto mar conhecido como currais, fonte de renda para mais de 60% da população. para se ter ideia, são extraídos do mar cerca de 2 toneladas de peixes por dia entre todos os currais em período de baixa safra.


               Em Bitupitá existem dois tipos de currais,  o de fora e de terra, esses termos são usados devido a construção ser uma próximo a praia e o outro em alto mar. Para uma pessoa hoje construir um curral em Bitupitá ele deve ter um documento de licenciamento de terra no mar autorizado pela capitania dos portos local que fica na Cidade de Camocim, após a liberação do terreno a pessoa terá que desembolsar no mínimo 50 mil reais, para as despesas com material e mão de obra. A madeira que geralmente é usado para a construção de um curral de fora vem do sul do Piauí ou Maranhão, sendo que são todas legalizadas pelo IBAMA.


                   A construção de um curral dura em media de um mês ou mais, dependendo da agilidade dos peões. Para começar a construção é feito primeiro a marcação do terreno com o desenho de como será feito o curral, após a marcação começam a fixação dos mourões, que para serem fixado é preciso ter um mergulhador segurando a ponta do mourão no fundo do mar e outro batendo com uma espécie de marreta construída com tronco de arvores em cima de uma base no formato de banco ou tamborete de aproximadamente 5 a 8 metros de altura, com os mourões todos fixados na marcação do curral, começam a parte de fixar as telas de arames ou nylon nas madeiras, fechando toda armadilha deixando apenas com uma entrada estreita para dar passagens aos peixes, após o termino do curral começam trabalhar a parte da espia, tipo de cerca de madeira de aproximadamente 150 metros, usado como barreiras para os peixes seguirem direto para a armadilha e não conseguir sair e depois começarem a fazer as despescagem na maré baixa.

 Atividade que se ver todos os dias em Bitupitá, o paraíso dourado do Ceará!




QUEM NUNCA OUVIU FALAR NA LAGOA DOS BOIS?

                            



                Quem não se lembra da lagoa imensa dos bois que ficava ao lado da comunidade do Venâncio? Pois essa que antes era motivos de medo ao atravessar e lendas sobre a enorme cobra, já deixou de existir há mais de dez anos, devido ao rápido avanço das dunas no local.
                Dez anos antes, os moradores das comunidades locais usavam a lagoa “que nunca secava” como uma espécie de “clube aquático” motivos para muitos que nos fins de semana levava sua família para um programa a beira da lagoa, onde se disputavam a área com as lavadeiras, que todos os dias ficavam lá, lavando roupas e comendo sardinhas secas com farinha de mandioca, cheia de “culuminhos” se ensaboando com o resto do sabão da barra que sobrava.
               A lagoa dos bois ficava entre as comunidades do leitão e Venâncio, e cerca de 5 km de Bitupitá, sendo que nos finais de semana se via mais Bitupitaense do que os outros das comunidades vizinhas, onde muitos se disputavam em atravessar a temida lagoa, mais poucos tinham a coragem de enfrentar tal desafio, sem falar na lenda que existia sobre uma cobra anaconda residir na água, deixando muitos curtindo só na beira da lagoa.

             Hoje após de dez anos, existe apenas uma poça de água com lama, pois a imensa já havia sido devorada pelas dunas moveis, que são constantes no local, restando assim só lembrança de bons tempos de piqueniques em família, e assim dizendo uma vez a lagoa do boi.



UM PÔR DO SOL PARA OS MORTOS (SANTA ADELAIDE)



                 Esta história é bonita de se ver. Começa a ser tecida no encontro do rio que vem do Piauí com o mar de Bitupitá (litoral Norte do Ceará, a cerca de 440 quilômetros de Fortaleza). Ressurge entre coqueiros, palmeiras e a vegetação nativa das dunas. É uma história que junta natureza e povo, o maravilhoso e o sonho. O ser e o ampliar.
                Impressa em folhetos, livros, memórias e até na laje do túmulo da protagonista, a narrativa peregrina desde a Palestina ao Pontal das Almas (atualmente, praia de Bitupitá). Milade (para alguns, Milaide) Tahim nasceu em Belém, no dia 1º de julho de 1882. “Isto é, na mesma cidade em que Jesus Cristo nasceu”, associa o livreto A História de Santa Adelaide, que ciranda de mão em mão nas rodas de calçada de Barroquinha (município que abarca Bitupitá). E não importa que outros contem que a certidão de nascimento é de Jerusalém, o imaginário popular voa a partir dessa coincidência do destino.                                           Milade só podia ter nascido para ser uma pessoa boa, assim testemunharam os antigos de Barroquinha. Ela e o marido, Demetrio Elias Tahim, tangidos por uma guerra, aportaram naquela paisagem depois de escapar pelos Estados Unidos. Estabeleceram-se no ramo do comércio de tecidos, e logo Milade se tornou Adelaide no entender e no bem-querer do povo. “Meu marido é que conta que ela era uma pessoa muito caridosa. Dava esmola com prazer, tirava uma fazenda e dava pra pessoa”, repete Cândida Batista da Silva, 75. “E livrava ele (marido de dona Cândida) das peias, quando a mãe dele queria açoitar... Ela dava o peixe e ainda perguntava: ‘Vocês têm farinha pra comer?’. Conto a história como me contaram”, arremata.
                  Não tardou para Adelaide se converter de todo santa, na verdade do povo. Ela faleceu no dia 26 de março de 1929, na sequência do parto de seu décimo filho, e, assegura a oralidade, continuou “numa luminosa visão”. O que era, ampliou-se.
                  Adelaide teria aparecido em sonho a Francisco José de Oliveira, morador de Olho d´Água, distrito de Viçosa. Longe dali, muito. Na serra da Ibiapaba. Francisco nunca nem tinha ouvido falar nos Tahim, mas Adelaide teria insistido (e garantido o perdão dos pecados), em mais aparições, que ele levasse um recado aos seus: ela queria descansar na paz do Pontal das Almas, de frente para o mar, que desenterrassem o corpo do cemitério-beira-de-estrada de Capim Açu (ou Venâncio).


                Já era maio (cerca de 40 dias depois da morte de Adelaide Tahim), numa época em que “a palavra valia muito mais do que o que estava escrito”, registra o livreto A História de Santa Adelaide.
                Francisco, em favor do sossego da alma (sua e de Adelaide), cumpriu o prometido ao sonho. Deu o recado ao viúvo e o que se seguiu foi um espanto e uma procissão do cemitério de Venâncio ao Pontal das Almas.
“O caixão mortuário, apesar de tanto tempo decorrido, achava-se em perfeito estado e sem exalar a menor parcela de mau cheiro”, sublinha A História de Santa Adelaide. Tanto que ainda foi velado, por duas horas, na Capela de São José. E um novo sepultamento se deu no dia 13 de maio de 1929, a cerca de 140 passos do encontro do rio com o mar, em um extraordinário cenário de pôr do sol.
                 Da pracinha da igreja, centro de Barroquinha, até o túmulo de Adelaide Tahim, no ainda chamado Pontal das Almas, são 5 quilômetros de areia de praia.Uma caminhada feita ao sabor da maré. Há romaria para a santa popular, convida Cândida da Silva, no último domingo de agosto. Falta padre, lamenta a devota, mas não falta a fé. São José é o padroeiro do lugar, mas dizem que “na festa da santa Adelaide dá mais gente”.
                   Dona Cândida guarda a chave da Igrejinha de Santa Adelaide, que fica na rua da Praia, olhando para o mar, de frente para o horizonte. É uma igrejinha sem forro, de chão de flores e santos plastificados, mantida pelos devotos. Ao lado, cemitério na beira do rio Timonha, onde está enterrada Adelaide Tahim e a medalha que carrega a imagem dela, no chaveiro da porta. Acima, na foto maior, dona Cândida em seu altar de parede
                Um dos filhos de Adelaide Tahim trouxe, de Jerusalém, a imagem de santa Adelaide (a italiana, já canonizada pela Igreja). Ela foi posta na igrejinha, erguida em memória de Adelaide Tahim. Para alguns, as santas se confundem.
“Comecei a acreditar quando comecei a me entender, que comecei a ficar valida dela”, testemunha dona Cândida. “Já alcancei muitas graças. Eu tinha um neto que, qualquer coisinha, no corpo dele, era uma ferida. Me apeguei com a alma dela. Agora, ele pega topada, arranca unha e acredita que nada mais foi pra frente?”, soma.

Matéria exibida em 2012 pelo  jornal O Povo.


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

"BITU" MEU PARAÍSO!



Bitupitá: pancadas de ventos fortes em dunas que se movem,
Areias claras e mata verde, beleza que encanta todos que ela esteja,
Cercada de mares e dunas, agraciada de gente humilde e farta.
Onde o vento canta sua canção, levando sua gente numa imensa paixão,
Paixão pela vida, paixão pelo mar, paixão pelo adorado lugar que se chama Bitupitá.
Onde o bravo homem descobre sua fragilidade na grandeza do mar,
Carregando o pão de cada dia para sua família que fica sempre a esperar.
Terra de gente sonhadora e batalhadora, que persiste até o ultimo segundo que há,
Mesmo nas dificuldades não desiste de esperar, pelo um novo amanhã que está sempre a desejar.
Terra onde o sol mergulho no infinito do mar,
Onde os peixes soltam nos currais, e um bravo homem o pescar,
Terra que mesmo com tantas dificuldades, seu povo não desiste de sonhar,
Sonhar com o belo, sonhar com o novo, sonhar com o dia que esta sempre a esperar.
Há Bitupitá, como és lindo e gratificante ser filho dessa terra,
Onde nascem homens bravos de coração gigantes,
Onde cada sorriso brilha como o por do sol no horizonte.
 Há Bitupitá, lugar igual a “tu” é tão difícil de encontrar,
Onde se ver pancadas de vento fortes em dunas a se espalhar,
Há Bitupitá, se for te definir em uma única palavra,
Eu só direi te amar, te amar...

(Bitupitá Atividades)

OBRAS DO ASFALTO DE BITUPITÁ ESTA NA FASE DE TERRAPLANAGEM



                    A Construtora Silveira Salles iniciou há 10 dias a tão aguardada obra de asfaltamento da estrada de acesso à Praia de Bitupitá. Ao todo, serão 27,72 quilômetros entre o entroncamento com a CE 085 e Bitupitá, onde serão investidos R$ 10 milhões pelo Governo do Estado. 
                  A via ganhará, além de pavimentação, iluminação, sinalização, acostamento, entre outros itens. O prazo estimado para a conclusão é de 360 dias. Em contato com Francisco Pinto Veras, Secretário de Infraestrutura de Barroquinha, o trabalho continua na fase de aterramento e terraplanagem de vários trechos. Segundo ele, o asfalto seguirá a partir da sede do município, dobrando à esquerda cerca de 1km antes de Araras, passando pelas localidades de Bambu, Chapada, Venâncio, onde provavelmente terá um trecho de calçamento, devido à área de manguezal, seguindo depois novamente com asfalto até a entrada da Vila de Bitupitá. 


Fonte: Camocim Online

BITUPITÁ BEACH VEM AÍ!


                  Festa boa é na praia de Bitupitá. Nos encerramentos dos tradicionais festejos de Santa Adelaide no dia 30 de agosto, acontecerá o Bitupitá Beach no maior e melhor clube da região, clube F Show. A estréia será com grande estilo na noite de sábado, pela primeira vez em Bitupitá, AL eventos trás a inconfundível Banda Libanos e Swing no Paredão. Banda escolhida na enquete promovida pelos organizadores e o Blog Bitupitá Atividades nas redes sociais.
                  O Bitupitá Beach acontecerá no F show no dia 30 de agosto, prometendo ser uma das melhores festas da região, e para começar com grande estilo a AL eventos promoverá na praia a partir das 3hs da tarde um esquenta com disputa de paredões de som, misturando todos os estilos musicais agitando a orla marítima.
                  No dia 15 começam a divulgação oficial pela região, e a AL Eventos buscam patrocínio para a realização da festa, e você lojistas e comerciantes da região pode firmar uma parceria com 100 a 150 reais. E terá o nome do negocio divulgado nos cartazes e durante a divulgação do BB, seja também um patrocinador desse mega evento.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

COMUNICADO!



            Caros amigos que nos acompanham aqui em nossa pagina, por motivo de trabalhos pessoais, quase não estou atualizando as matérias, mais na medida do possível tentarei manter nossos leitores informados com notícias da região, inclusivo relacionadas a nossa querida Bitupitá. Desde já agradeço sua atenção, e a qualquer momento daremos mais informações sobre os acontecimento na região. abraços e continuem ligados no portal BA.