segunda-feira, 2 de outubro de 2017

BELEZAS DA NOSSA TERRA!

PRAIA DO RASGADO


        



          Bitupitá com sua beleza infinita ainda rodeada por tantas outras belezas de encher os olhos em todo o seu litoral. falar dessa praia vai parecer novo ou até mesmo bem antiga e conhecida de pescadores e moradores do meu Cantinho.

              A Praia do Rasgado é na verdade uma extensão da praia de Bitupitá até ao Pontal das Almas, sendo a divisão entre as duas. passou a ser chamada assim, depois que a maré em sua ressaca separou praticamente o pontal de Bitu, fazendo um "rasgo" entre as duas, juntando praia e mangues.
              A área além de seus encantos com dunas baixas, manguezais e areia grossa, vem sofrendo constantemente com o avanço do mar, derrubando arvores e devastando o pouco de dunas que ainda restam no local. deixando muitas vezes arvores isoladas das outras a beira mar, que mesmo com esse impacto, a natureza ainda proporcionam linda imagens como essas, deixando o lugar propicio para passeios e piqueniques.

A praia do Rasgado é de fácil acesso, sendo possível apenas pelo litoral, tanto a pé quanto de carro, a caminhada até o local é de mais ou menos 20 a 30 minutos saindo do meu cantinho. e valerá muito apena conhecer esse lado de Bitu, com a maré baixa é possivel chegar a espia de um curral de terra e apreciar a beleza do local.

BELEZAS DA NOSSA TERRA

O ENCANTO DO LADO SUL DA ILHA DAS CUNHÃS


                        Na estréia da coluna “Belezas da nossa terra” onde vamos mostrar lugares isolados, donos de uma beleza sem igual no distrito de Bitupitá, lugares que deixará qualquer um encantado com suas paisagens. E nessa estréia vamos mostrar um dos pontos mais belos da ilha das cunhas, onde a belezas dos manguezais se mistura com a caatinga local.

                        A ilha das cunhas é um daqueles lugares distantes da movimentação, onde a tranqüilidade reina em meio às matas e pássaros, lugar que só é possível chegar de barco, de preferência a motor, devido a distancia. Nessa viagem saímos de Bitupitá por volta do meio dia em direção ao lado sul da ilha, levando cerca de uma hora e vinte minutos até o destino escolhido, lá existem cerca de seis barracas de palhas feitas por pescadores para se abrigarem durante os dias de pesca, transformando a beleza da ilha ainda mais encantadora. Quando nossa equipe chegou ao local todos ficaram maravilhados com tanta beleza natural, um lugar muito atrativo que a grande maioria de Bitupitá desconhece, dessa área é possível apreciar os encantos dos pássaros de varias espécies, soltando seus cantos com a nossa chegada, um sinal de boas vindas.

                       A beleza do lado sul da ilha é de deixar qualquer um de queixo caído, em varias partes se formam praias desertas com águas cristalinas esverdeadas e areia clara típica das dunas da região que se movimenta com as forças dos ventos em direção aos manguezais, deixando o lugar que antes era lama se tornar em areia grossa de um tom cinza, outros pontos que deixam o lugar ainda mais belo, são as barreiras formada pela maré alta, notando o avanço do rio sobre a ilha.

                       Chegando ao lado sul da cunhas verás ainda mais a beleza do rio timonha, uma área de manguezais cheia de entradas, formando um tipo de labirinto de paredões de manguezais, onde três dessas entradas é possível chegar às comunidades de Chapada, Ilha grande-PI e na cidade de chaval.
                       Resumindo, o lado sul da ilha das Cunhas é um daqueles pontos perfeito para um piquenique com os amigos, os únicos obstáculos que terão que enfrentar para chegar nesse paraíso é a distancia de Bitupitá, que varia entre quarenta a uma hora e meia de viagem, isso dependerá muito do barco, mais que valerá apena, isso sem duvida vai.

                       Essa foi nossa primeira coluna Belezas da nossa terra do blog BA, mostramos as belezas e encantos do lado sul da ilha das cunhas, dona de um nome misterioso que não encontramos sua origem, mais seus encantos são muitos e dispensa qualquer tipo de comentário sobre o tal, em breve aqui no blog mostraremos outros pontos que grande parte desconhece que se encantarão através do nosso portal. Para qualquer outra informação, entre em contato com agente através da nossa pagina no fecebook.


Agradecimentos: Manelzinho, Fernandinho, francirlo, Marcelo, Junior e Matheus.


domingo, 1 de outubro de 2017

HISTÓRIAS DE BITUPITÁ POR ODÊMIO DO PIMPIM


O Pulo da Tainha

Conversa de pescador é bom demais. A gente enche logo a boca dágua. E quando o peixe é Tainha. Meu Deus do Céu, chega as tripas ficam batendo palmas, é ou num é? Claro que é!
Alguém começa falando que a melhor forma de comer tainha é assada na brasa, aí vem outro e diz: - se näo tiver farinha dágua num presta. Com uma gelada né? - Claro, tem qui ter - senäo num tem graça! A conversa fica animada quando aparece um mentiroso. - E tá na época de pescar tainha? Tá, e no mangue só tem tainha grande! - Pense no tamanho da bichona! Aí ele abre os braços e vai logo comparando: - o Zé Urubu pegou uma tainha desse tamanho, ó? - Foi mermo macho?  - Num tô dizeno, cara! - Ele passou um mês comendo dela, sabia? - E ainda mandou pra Sônia,  a filha dele que mora em Fortaleza! - Rapaaaaz, entäo era grande mermo ó! - Era macho, até eu cumi!

Pescaria de Tainha:

É feita da seguinte forma: uma rede fica esticada no fundo do rio de uma márgem á outra, no sentido vertical, e outra rede na superfície, aberta na horizontal. A tainha vem acompanhando a correnteza da maré e quando tenta livrar-se da rede que está esticada no fundo do rio, com um pulo, näo consegue ultrapassar, e cai dentro da outra, ficando enroscada em suas malhas.

Detalhe da tela:

Local - Mangue da Mata Fome - Camboa de Todos os Santos.
Canoeiros - Zequinha do Palête, de blusa vermelha, e o Serra, de blusa branca.
Proprietário das redes e exímio pescador de tainha - Antônio José do Pimpim, amarrando uma estaca no meio do rio.
Cozinheiro - Antônio da Graça.
Auxiliares - Cabeça, de cócoras dentro do mato, fazendo aquilo que só ele podia fazer, e o Odêmio do Pimpim, deitado no chäo cheio de formigas, porque o tucum estendido na sombra de uma árvore era do paträo.

Nota: no detalhe - uma tainha consegue ultrapassar a rede num pulo sensacional.

óleo sobre tela: 80 cm x 60 cm.

sábado, 30 de setembro de 2017

TURISTAS ENCANTADOS PELAS BELEZAS DO PONTAL DAS ALMAS ACAMPAM NA PRAIA POR DOIS DIAS



           Pontal das Almas como sempre atraindo turistas por sua beleza naturais,  encantando todos que visitam esse pedacinho do paraíso na praia de Bitupitá.
Um grupo de turistas estão acampando  esse final de semana no pontal das Almas,  com suas barracas e suas varas de pescar,  os mesmo seguem o ritimo do paraíso, naquela tranquilidade ouvindo o canto dos pássaros e o som do vai e vem das marés, saboreando aquele peixe fresco pescado na hora,  Naquela vidinha que todo mundo pediu a Deus.

Os turistas chegaram no pontal através de barcos vindo do Estado do Piauí, sendo todos da cidade de Teresina.
"Isso aqui é lindo demais,  jamais tinha imaginado está em um lugar tão lindo,  essas praias estão de parabéns,  e essa é o primeiro acampamento de muitos aqui nas praias de Bitupitá"


Fotos Jonh Mateus

PEDALADAS EM GRUPO, AÇÃO DE JOVENS NA PRAIA DE BITUPITÁ

Jovens de Bitupitá se unem todos os finais de semanas para as "pedaladas em grupo",  fazendo um percurso de mais de 10km, com início na praça central de Bitupitá até a comunidade do Venâncio, com intervalos e paradas para atividades físicas.
Esse movimento,  tem como idealizador o Jovem Ismael Silva, que relata para nós da página Bitupitá Atividades,  sua finalidade e objetivos.
"  Esse Projeto na realidade é uma grande maneira que encontrei pra incentivar as pessoas a andar de bicicleta já que isso estava um pouco esquecido, nosso maior foco é também incentivar as pessoas a praticarem Atividades físicas, buscando ter uma vida saudavel e melhorá o seu  desempenho no dia a dia."
As pedaladas acontecem todos os finais de tardes no sábado e Domingo,  atraindo mais de 30 pessoa com idades de 20 a 40 anos, uma iniciativa que vale a pena ser compartilhada e seguida como exemplos dentro da nossa Comunidade.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

A TRISTE REALIDADE DA BELÍSSIMA LAGOA DO ARROMBADO

                                    Foto atual

Imagens enviadas Agora a pouco para nossa página,  a triste realidade da nascente da praia do Arrombado. Antes um recanto paradisíaco para banhista,  hoje uma poça de lama na beira mar,  foram tantas tentativas de destruir o local para afastar os turistas,  que acabou dando certo.
Relata a Jovem
"depois de muito tempo, voltamos a Lagoa do Arrombado e o que vimos foi uma poça de lama  com mal cheiro,  seco e não atrativo"

A nascente do Arrombado fica dentro de uma propriedade particular,  más,  boa parte da Lagoa ficava do lado de fora na beira mar.

Foto de antes 


Imagens enviadas no watsap por Valdinesia Silva

HISTÓRIAS DE BITUPITÁ POR ODÊMIO DO PIMPIM


Os Coqueiros do Doro.

O que poderia existir de mais belo que a chegada da sombra dos Coqueiros do Doro, tocando violão ao lado da mulher amada, num dia de domingo?

Absolutamemte nada era mais belo e emocionante do que esses coqueiros para nós, adolescentes moradores do nosso querido Bitupitá.

Nós até esquecíamos quando a sombra ia simbora. Ninguém tava nem aí. O sol batendo na cara e a gente näo arredava o pé. Eu adorava quando cantava com o meu violäo a música "No toca fita do meu carro" do cantor Bartô Galeno, sucesso na época,  e a pitelzinha ficava olhando pra mim com a boca aberrrrrrrta, como se estivesse extasiaaaaada. Aquilo pra mim era fantástico.

.......

O proprietário de nome Doro era um comboeiro muito conhecido. Quinzenalmente ele viajava com seus jumentos para a serra da Ibiapaba: (Tianguá, São Benedito e Ubajara), levando peixes secos para comercializar nas feiras de lá, e trazia mercadorias que eram distribuídas nas bodegas de Bitupitá.
Para cada jumento que ele comprava, um pé de coqueiro era plantado. Ele foi proprietário de 21 jumentos. Todos recebiam um nome. O mais famoso de todos  era o "Canguelo", que ele vendeu para o Seu Zezim Dionísio. Esse jumento puxava de uma perna e mesmo assim,  foi responsável durante muito tempo pelo abastecimento de água nos potes de Bitupitá. Quem fazia essa gentileza era o Jasiel, sobrinho do Seu Zezim, que ganhou o animal de presente. Nessa época o principal concorrente do Canguelo era  o João Véi - ele trazia água em duas latas de querosene dependuradas num galão de mangue Canoé. A fonte de abastecimento eram as "Cacimbas da Ana do Maneco", distante, uns dois quilômetros, de Bitupitá.

Na tela, o Canguelo é o primeiro da esquerda para a direita, seguido do Sabonete, Arruda, Lourenço e Jatobá, todos vendidos para o Seu Zezim Dionísio. Os demais nomes estão no meu livro, que será lançado em breve.

Fonte de pesquisa -  Zezim Dionísio (in memória)

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

FENÔMENO DAS ALGAS MARINHAS INVADEM A PRAIA DE BITUPITÁ


               Fenômeno anual das algas marinhas na praia de Bitupitá já começou em grandes quantidades na Orla da Comunidade,  formando o famoso Paredão de lôdos, separando a água da faixa de areia.
               Quem conhece a praia de Bitupitá,  já não estranha mais esse Fenômeno que se repete todos os anos,  deixando a orla infestada de algas,  os famosos lôdos,  que desembarca na praia devido as fortes correntezas marinha que se estende do mês de agosto a novembro.
                Grandes quantidades de algas já encalharam na praia,  causando atolamento e mal cheiro em toda extensão da Orla de Bitupitá. A comunidade estará em festa esse final de semana,  com os tradicionais festejos de agosto,  onde receberá muitos visitantes,  quem já visita a praia não vai estranhar esse Fenômeno,  más,  quem chegará pela primeira vez nessa época do ano,  vai estranhar muito,  pela a grande quantidade e o mal cheiro que a mesma causa,  Fenômeno comum da natureza que se repete todos os anos.

                 Com um certo tempo,  as algas secam,  e os fortes ventos fazem o trabalho de enterra-las na praia,  na maioria das vezes sem intervenção do homem,  esse é um processo demorado que leva quase seis meses.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

PROJETO DE JOVEM DE BITUPITÁ É DESTAQUE NO MAIOR CONGRESSO DE EMPREENDEDORISMO NO PIAUÍ




O projeto de Antonio Hitalo Araujo da Silva, estudante do curso de administração do IFPI- campus Parnaiba é destaque no maior congresso de empreendedorismo no Piauí, "Empreende Litoral" que ocorreu em Parnaiba/PI . O projeto ficou em 1° lugar e foi bastante elogiado pela organização e jurados.

Antonio Hitalo é  filho de pescadores da comunidade de Bitupitá em Barroquinha/CE. O projeto foi: AGENCIA DE PASSEIOS ECOLOGICOS OESTE PARADISE, onde se pretende criar um empreendimento que atue na venda de passeios ecológicos na Comunidade de Bitupitá.


"O projeto na 1° etapa já tinha ficado em 1° lugar. E com isso só aumentou a minha auto estima que era um projeto que eu podia confia e colocar adiante, pois sabia que tinha futuro. Mas pensava muito nos outros projeto que iriam apresentar, pois muitos deles tinham mais experiencia do que eu, mais isso só foi um detalhe, pois fiz o que pude e o resultado foi o 1° lugar no maior congresso de empreendedorismo do meio norte do Brasil." Enfatizou Hitalo.

Fonte Chavalzada 

domingo, 20 de agosto de 2017

ADELAIDE, A MULHER QUE SAIU DE JERUSALÉM E SE TORNOU SANTA EM BITUPITÁ


                       Esta história é bonita de se ver. Começa a ser tecida no encontro do rio que vem do Piauí com o mar de Bitupitá (litoral Norte do Ceará, a cerca de 440 quilômetros de Fortaleza). Ressurge entre coqueiros, palmeiras e a vegetação nativa das dunas. É uma história que junta natureza e povo, o maravilhoso e o sonho. O ser e o ampliar. Impressa em folhetos, livros, memórias e até na laje do túmulo da protagonista, a narrativa peregrina desde a Palestina ao Pontal das Almas (atualmente, praia de Bitupitá). Milade (para alguns, Milaide) Tahim nasceu em Belém, no dia 1º de julho de 1882. “Isto é, na mesma cidade em que Jesus Cristo nasceu”, associa o livreto A História de Santa Adelaide, que ciranda de mão em mão nas rodas de calçada de Barroquinha (município que abarca Bitupitá). E não importa que outros contem que a certidão de nascimento é de Jerusalém, o imaginário popular voa a partir dessa coincidência do destino. Milade só podia ter nascido para ser uma pessoa boa, assim testemunharam os antigos de Barroquinha. Ela e o marido, Demetrio Elias Tahim, tangidos por uma guerra, aportaram naquela paisagem depois de escapar pelos Estados Unidos. Estabeleceram-se no ramo do comércio de tecidos, e logo Milade se tornou Adelaide no entender e no bem-querer do povo. “Meu marido é que conta que ela era uma pessoa muito caridosa. Dava esmola com prazer, tirava uma fazenda e dava pra pessoa”, repete Cândida Batista da Silva, 75. “E livrava ele (marido de dona Cândida) das peias, quando a mãe dele queria açoitar... Ela dava o peixe e ainda perguntava: ‘Vocês têm farinha pra comer?’. Conto a história como me contaram”, arremata.
Continue lendo AQUI